O vício nosso de cada dia

maxresdefault

Vícios. Quando o inconsciente explode tomando o controle da consciência e, perdendo-se de si mesmo, a lucidez vai a lugares sem paradeiros. Mesmo vozes como “Pare! Você deve parar!” não alcançam mais. A musculatura do corpo entra num colapso, o peito é sufocado e, logo em seguida, os tremores nas pernas se iniciam. A abstinência é sofrida.

Lágrimas implorando ajuda, ainda assim, não tira um olhar de viciado. Algo que não está mais na autonomia do seu próprio ser, que passou do seu limite, despertando algo profundo, medonho e desumano. Destruindo tudo de dentro para fora. Dos sentimentos ao corpo, do seu ego ao coletivo familiar. Outro ser despertado dentro de nós mesmos.

Das mãos com câimbra devido ao movimento repetitivo de fincar a faca no peito de seu semelhante, das incontáveis bebidas alcoólicas que ingeriu em menos de quinze minutos, do pó que lhe satisfaz as narinas. Do sexo compulsivo e liberal. Da gilete que percorre sobre o pulso tingindo-o da cor de sangue.

A inconsciência prazerosa, não mais reprimida e no comando do corpo. A consciência conflituosa, pedindo por misericórdia. Essa é a história do: “eu sei que as drogas acabam com a pessoa e fere quem me ama; eu também as amo, mas não posso mais voltar atrás, eu imploro me ajude!”. “Se possível, Deus me mate para poupar-nos este sofrimento.”

Onde perdemos o controle? Ainda há motivos para buscarmos a superação de nossos ciclos viciosos? Nisso devemos pensar. Boa semana!

Anúncios

Como devemos contar os nossos dias?

tumblr_inline_muq99dZkXo1r0zgo4-6c7bafmod5qecgqmbamsch7s75leq9ygixtynm8kczi

Você está lendo isso hoje, mas o relógio sempre caminha para frente, o futuro se apresenta muito mais presente do que há cinco minutos. É verdade que não podemos parar o tempo e todos que tentam fazê-lo acabam sofrendo.

Querer parar o tempo é ter dentro de si angústia, medo do que pode vir. Tentar congelar o tempo é querer construir uma cadeia em suas emoções. É você parar no tempo e não você parar o tempo.

Há duas formas de lidar com o tempo passado: uma é se agarrar a ele e não permitir novidade de vida. “Ah… Por que quando meus pais eram vivos…”, “Quando eu tinha aquele emprego…”, “Quando nos casamos era…”; a outra é também se agarrar ao tempo, mas para solidificar o que está por vir, é dar a devida importância para tudo o que já se passou na vida e compreender que são experiências.

O filme O Resgate do Soldado Ryan termina com uma bela cena, o velho Ryan está diante do túmulo do capitão que lhe salvou a vida, emocionado ele diz: “Eu fiz a sua vida valer a pena em mim.” Em alguns momentos teremos de romper o passado, qual é a forma que utilizaremos para isso?

Há um salmo (90:12) que diz ”Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos coração sábio”. Perdi minha mãe aos doze anos e a forma que encontrei para continuar foi “viver para que todos a vejam em mim.” Essa é a forma que conto os dias, ao contrário de que morreu, o mais importante foi que ela viveu.

Agora mais um dia irá começar. Como foram os seus dias anteriores, sabe contar?

O poder da droga da música

Безымянный-1

Continuando a série de reflexões semanais sobre um versículo bíblico e não perdendo a referência externa sobre o momento social a qual vivemos, o tema é sobre música. A música no nosso cotidiano, a música que toca constantemente nos nossos fones de ouvidos. Mas antes de prosseguir, você já parou para pensar no poder que a música tem sobre as nossas emoções, nossos estímulos, e o nosso corpo?

Eis o texto: “E sempre que o espírito mau de Deus acometia o rei, Davi tomava a harpa e tocava. Saul acalmava-se, sentia-se aliviado e o espírito mau o deixava.” 1 Samuel 16:23. Fico imaginando qual seria a melodia que Davi compunha nessas horas para Saul; até podemos sugerir canções, mas jamais saber qual seria a tocada.

A música tem o poder de terapia, entretenimento, alienação. Desde o inicio da história essa arte foi consumida, interpretada e usada de formas diversas, mas ainda hoje tem o desconhecimento de seus limites. O que é música? O que não é? Se sua alma agonizasse nesse momento qual estilo musical lhe acalmaria? E se você quisesse se alegrar, dançar… Qual seria?

Classificar o que é e o que não é música chega ser injusto, pois, essa é um processo particular entre o ouvinte e a melodia escutada. Mas, em nossos sentimentos conseguimos dizer quais músicas são terapêuticas, quais são para festejos e, com um pouco mais de olhar crítico, até dizer o que é alienação.

A música é sempre sentida, primeiramente, pelo compositor. Músicas são histórias e emoções. Vale à pena refletir o que essas têm nos transmitido. A música de amanhã cedo lhe renova ou aliena? Isso tem de ser respondido por você e não pela cantora Anita ou pelo Senado Brasileiro.

 

A renovação versus O conservadorismo – Em qual lado você está?

significado-fariseu-saduceu
Do filme: A Paixão de Cristo

Nessa semana ouvi a fala de Sérgio Groisman que me chamou muito a atenção, “Eu gosto de entrevistar os adolescentes, por que eles falam o que vem a cabeça.” A discussão estava em torno dos diferentes públicos de televisão. Para Groisman, os adolescentes são a possibilidade da quebra do previsível, do questionamento de toda a estrutura social.

Continuando a série de pequenas reflexões a partir de um versículo bíblico, neste momento, quero falar da dificuldade que temos de romper com o velho. Em todos os setores sociais temos esse problema, desde a política ao campo religioso. Quer um exemplo?

Diz a bíblia: “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformada pela renovação do vosso entendimento, para que experimente qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:2 Passe a perceber o quanto é difícil ser renovado de entendimento para a própria religião que declara em seus cultos tal texto. Mesmo aquela religião que se diz ser a do Novo Testamento, porém ela mesma não consegue romper com o espírito de Velho Testamento.

Contudo, essa questão de conservadorismo está por toda parte, temos pessoas que preferem estagnar em um relacionamento e sofrer, ao invés de se lançar à novidade do que pode ser a ausência dele; outras ainda preferem reclamar do trabalho, a tomar a atitude de mudá-lo. O velho nos condiciona sempre a repetições.

Minha amada professora de Língua Portuguesa me ensinou a ter medo de “saudosismos”, pois sempre estaremos apegados a um passado que talvez nos acomode, e não nos faça evoluir. Pensar nisso agora pode nos prevenir de ascensão social de pessoas como Bolsonaro e nos sensibilizar e lamentar um dos erros repetidos ainda neste século XXI, que é ter Donald Trump representante de uma nação.

Pensemos em nossa renovação individual, espiritual, familiar e não nos esqueçamos principalmente do social. A vida se apresentará muito mais interessante a partir disso! Boa semana.

 

A mentira que nos mantem em pé…

psicologia-da-mentira

Não escreveria nada referente à “mentira” consagrada no dia 1ª de abril, assim já havia decidido, quando zapeando os canais vi um jornal da TV Cultura encerrar o programa indicando aos seus telespectadores, “Verdade, doce ilusão” de Marisa Monte, e com a reflexiva: “No dia da mentira, pensemos sobre o que é a verdade.”

Confesso que o que mais me prendeu a atenção não foi a reflexão evocada pela a âncora, mas sim o fato de um jornal (em sua totalidade pelo que assisti naquela edição), se propor a tratar os fatos, as noticias em busca da verdade. O que no Brasil, ao se tratar de mídia de comunicação é totalmente o oposto, os fatos sempre mascarados como convém aos interesses de quem tem o maior poder.

Peço desculpas em não discorrer sobre o assunto: “mentira nos relacionamentos amorosos, mentiras da adolescência ou qualquer outra mentira mais particular”, a minha preocupação é maior, ela se estende a mentira social. Porém, por favor, termine de ler esse artigo que no final lhe direi uma grande verdade.

Primeiro só é possível compreender o que é mentira quando se conhece a verdade, e mesmo essa verdade é construída pela moral e a ética, isso nos campos sociais. Por que não falo das mentiras particulares? Devido essas serem de senso comum e sem qualidade para desenvolvimento do ser humano… Que proveito há em discutir mentiras como: “Eu traí a minha esposa”, “O Palmeiras é campeão do mundo! (HAHAHAHA)”, “Quero namorar você”? Sem dúvidas, não há nada que acrescente.

É por isso que, invoco o questionamento sobre a verdade, e dependendo de como for a sua análise, chegará à conclusão de que vivemos toda a nossa vida baseada na mentira. Dessa forma, o dia 1ª de abril poderia ser renomeado à “Dia Internacional da Existência do homem”.

Querem um exemplo da mentira vivida todos os dias? Veja a Constituição Brasileira que garante direito à educação, à saúde, à alimentação, à moradia e etc. Outro exemplo? A religião é um campo vasto para as mentiras que necessitamos ouvir. E digo que, não estou pontuando caso a caso para desmoralizar essas mentiras, mas para dizer que a sociedade precisa delas para funcionar conforme os interesses dos mais poderosos.

Eu prometi ao final uma verdade: é que amanhã levantaremos e iremos fazer a nossa reza “Pai, nosso que está no Céu… A mentira nossa de cada dia nos daí hoje, perdoai as nossas verdades!”. Mas experimente algo novo nessa semana, olhe para o seu redor e tente perceber a mentira que sustenta todo o funcionamento social.

Em todas as vezes que me apaixonei…

tumblr_lm8cwhrxIs1qef5huo1_500_large

Ele, perdido nos lençóis e embriagado pelo o aroma da pele dela impregnado no pano, sabia que havia perdido o jogo… Aquele jogo do amor onde quem demonstrar estar mais envolvido com o outro, perde. Mas ele, que nesse caso, sou eu… Já sabia lidar com essa situação, eu só não sei lidar com o que vem depois.

Dizem que no começo da história, Deus viu que o homem estava sozinho e assim lhe deu uma companheira para que não ficasse só. Porém, nos dias de hoje a companheira decidiu não mais ser muleta para homem… Elas ousaram a pensar grande sobre a razão de sua existência.  Em contrapartida, ele que na verdade sou eu, ousou duvidar do motivo de sua sobrevivência

Só que eu me sentia sozinho… Então me apaixonei pela professora da pré-escola, me apaixonei pela médica do postinho de saúde, me apaixonei pelas minhas amigas, amei uma senhora casada, me apaixonei pela imagem feminina em um computador, desejei a freira que um dia passou pelo meu bairro… E eu perdi sempre, no jogo era quem demonstrava ser o mais envolvido.

Em último grito de socorro, minha psicóloga disse-me para eu amar a mim mesmo… Eu adoraria desfrutar da psicanálise, mas antes estou mais interessado em desfrutar de um relacionamento amoroso com ela. Só que não é possível… Vou chegar ao fim desse texto com ciclo repetitivo.

Ao lado de quem nos deixa só…

13557678_1742917179254522_1606949876991790024_n
Imagem: 05 Centímetros por Segundo (filme)

Os olhos dele acompanham centímetro por centímetro o movimento de elevação do foguete sob o céu azul, o vento sopra e faz com que sua roupa se comprima contra o corpo. Seja na contemplação do foguete, o sol ou a lua, os olhos dele nunca se contentariam a notar a pessoa que estava ao seu lado. E eles estavam lado a lado há muito tempo.

Temos a necessidade de nos relacionarmos, é um beco sem saída, teremos que passar pelo caminho dos diversos tipos de relações. Não se relacionar é negar estar vivo, não se relacionar é ser zumbi. Mas a que preço nós devemos querer estar em uma relação? Veja se essa relação é física ou sentimental, e lhe digo que para um relacionamento satisfatório essa condição OU não exista. São os dois!

Caso contrário, viveremos enganados… Como um romântico ao pôr do sol sem qualquer toque na senhorita que está ao seu lado, quando na verdade, ele poderia lhe oferecer sentimento e pele. Enganados como um garanhão que não sabe nada além da necessidade sexual.

Os grandes descompassos ao viver ao lado de alguém estão relacionados à leitura correta do que é um relacionamento. Sem isso, o foguete continuaria a subir pelo céu… Ele curtiria sozinho o espetáculo e ela esperaria o dia em que ele pudesse a notar. A diferença dela para outro rapaz que estava em um trem lotado de gente desconhecida era mínima. Ambos estavam ao lado de pessoas sob o mesmo teto, mas que nunca se encontrariam.

Ela pensa “Se ao menos eu pudesse te encontrar…”

Ele também pensa e escreve isso.

POR WILKER DOS SANTOS

Toda mulher é livre…

woman-387869_960_720

Você sente medo? Não? Mesmo que, por exemplo, em uma situação você tenha que ir contra o pensamento dos outros? Se ainda assim sua resposta for afirmativa para a ausência do medo, pode desfrutar a beleza e a liberdade que há na coragem.

As mulheres ignoram o medo da dor do parto, da perda de sua própria liberdade para cuidar de um filho, mesmo que esse futuramente possa vir a ser inconstante e rebelde. Mas, há mulheres também que ousa, loucamente, a se opor ao pensamento de que a mulher deve procriar para ser feliz, a auto-suficiência é acima de tudo o segredo dessas.

Há mulheres que baila fantasiosamente um casamento, enquanto outras preferem bailar em uma pista de dança na Rua Augusta…  Uma estará muito preocupada em preparar o almoço, a outra, no escritório, prepara a pauta para a reunião da diretoria.

Seja qual for o paradigma superado pela mulher, sabe-se que ao final do dia o conforto e proteção são garantidos por ela mesma, talvez na figura de uma mãe…

Diz Schopenhauer que a mulher é um efeito deslumbrante da natureza; já eu acredito que a mulher é a origem de toda a natureza. À coragem, à superação e à qualidade de vida que essa traz a humanidade… Mulher é um paraíso!

POR WILKER DOS SANTOS

Série Confissões – Capitulo Especial – “Todo Mundo Cobra”

20150721034810estetoscopio

Mais uma vez tocava o celular, porém, o que realmente incomodava Leandro era a música que sua esposa ordenara-lhe colocar como toque musical, “Cálice” de Chico Buarque interpretado pela Pitty. O celular cantarolava e vibrava “Pai, afasta de mim este cálice!”.

-Alô!

-Leandro, novamente você deixou a toalha molhada na cama! E deixou o DVD dentro do aparelho Blue-Ray, já estou cansada de tanto falar!

Enquanto isso, ele ia se dirigindo em passos rápidos para a Ambulância “Salva”, onde o resto de sua equipe o aguardava. O médico André e o enfermeiro Jonas, junto com Lidia. Eles sentados falavam da noite anterior de cada um. André tinha rezado a missa. Jonas escutou música até adormecer. E Lidia, de última hora aceitou um convite para sair.

Mas, Leandro estava ali, preso ainda à noite anterior, sua mulher fazia questão de no telefone dar o sermão. A ambulância dobrava a esquina para chegar até a escola a qual faria o plantão, por volta das onze e meia da manhã. O evento a ser coberto era a realização do exame nacional do ensino médio (ENEM).

Um escutava o sermão vindo através do aparelho, revirava os olhos. Lidia lamentava aos companheiros:

-Eu cheguei em casa para estudar ontem e, quando fui ver, já estava com uma taça de vinho na mão para beber e uma boca para sentir.

André exteriorizava um olhar calmo e sereno em quases todas as situações, após as palavras da colega, disse tranquilamente:

-Você deveria ter estudado! Será cobrada hoje na sua faculdade, não?

-Todo mundo cobra-nos o tempo todo! Viveremos sempre para cumprir cobranças? – um tom mais ríspido de Lidia.

O enfermeiro Jonas, permaneceu em silêncio até a escola, reservado e tímido como era. Mais imaginava do que realmente se apropriava das palavras dos outros. O que seria uma boca na outra, ou uma taça de vinho e uma mulher nua? Logo teve de interromper as viagens na maionese, pois avistou o primeiro trabalho que teriam:

-Olha! Ali no portão da escola uma menina desmaiou! – alertou para a equipe. Correu ao lado de Lidia para o atendimento. Viraram a adolescente para cima, com as costas no chão, soltaram o cinto que a apertava em sua calça jeans, elevaram as pernas dela acima do coração para restaurar o fluxo de sangue no cérebro. A garota despertara.

– Ei, menina, você está bem? Qual é o seu nome? – pergunta Lidia.

– Meu nome é Taline. O que aconteceu?

– Você desmaiou. Consegue andar até a ambulância para tomar água?

– Consigo, sim!

– Está nervosa por causa do Enem, não é? – pergunta Jonas.

– Não. Eu sou uma pessoa muito segura quanto ao vestibular! Sou otimista. Porém, acabei me descontrolando ao saber que meus pais irão se separar.

Jonas, que era o oposto da jovem, pessimista e inseguro, se interessa em saber mais da história:

– Mas a ponto de causar um desmaio… Então, foi uma decisão súbita, que te pegou de surpresa?

– Na verdade, não! Meus pais brigaram o ano todo devido a minha mãe permitir que eu não trabalhasse para estudar. E quando falei que iria fazer minha graduação e só iria arrumar um serviço na minha área, ele disse que não sustentaria vagabunda. E agora se eu não passar me sentirei um fracasso diante da minha mãe. E pior, a fiz perder meu pai por um investimento fajuto! – a garota começa a chorar compulsivamente. Chegando até o automóvel recebe um copo d’água.

Jonas informa o desmaio ao médico André. Que volta à atenção para a menina e consoladamente diz:

– Sua mãe vai te amar independente de qualquer coisa, sempre. E seu pai, provavelmente a ama também, só que não consegue lidar com essas situações. E Sobre passar ou não no vestibular, você precisa entender que será cobrada do mesmo jeito pelo seu pai, tanto se conseguir entrar na faculdade ou não.

Lidia percebera que o colega reaproveitara a conversa na ambulância para aplicar a Taline. Porém, a enfermeira era desprovida da possibilidade de tamanha sensibilidade para falar algo à menina. Lidia tinha em seu âmago um profundo ódio pelo mundo ao seu redor.

Taline precisava entrar na escola, se despede da equipe médica agradecendo a atenção. Vira às costas a ambulância e retoma as convicções do que tinha por futuro. Jonas, durante o dia atenderia muitos alunos igual a ele, inseguros de si mesmos, outros depressivos.

Lidia veria muitas meninas duronas como ela. Já Leandro, não veria nada, seu casamento estava o consumindo.

O fim do plantão acabou. Sentado em sua cama, André reflete sobre o dia que passara no trabalho. Jonas mergulhava-se no mundo da NETFLIX. Lídia estudava as apostilas de medicina ao som musical de “People in Planes” por Light For The Deadvine. Leandro abre a porta da casa, entra e vê sua mulher com o estiloso vestido azul, sentada no sofá e as pernas cruzadas.

– Precisamos conversar! – Ele decidido declara.

Ela se levanta, sensualmente o beija e em seu ouvido, docilmente diz:

– Cálice! (Cale-se)

 

CONTINUA… CAPÍTULO UM: LIGAÇÕES INDESEJADAS

Teaser da Série “Confissões” de Wilker Santos

A série de textos relata a rotina de trabalho de três enfermeiros e uma enfermeira que atendem emergências em ambulância. A cada episódio a interação da equipe com os pacientes vai mostrando a faceta de suas vidas. A trama tem como objetivo explorar os sentimentos humanos no limite das tragédias, dramas e conflitos pessoais.

PARA SABER MAIS SIGA-NOS NO FACE:
https://www.facebook.com/adriwileditora/

CAPÍTULO ESPECIAL SERÁ DISPONIBILIZADO EM BREVE AQUI NO BLOG!!!