Série Confissões – Capitulo Especial – “Todo Mundo Cobra”

20150721034810estetoscopio

Mais uma vez tocava o celular, porém, o que realmente incomodava Leandro era a música que sua esposa ordenara-lhe colocar como toque musical, “Cálice” de Chico Buarque interpretado pela Pitty. O celular cantarolava e vibrava “Pai, afasta de mim este cálice!”.

-Alô!

-Leandro, novamente você deixou a toalha molhada na cama! E deixou o DVD dentro do aparelho Blue-Ray, já estou cansada de tanto falar!

Enquanto isso, ele ia se dirigindo em passos rápidos para a Ambulância “Salva”, onde o resto de sua equipe o aguardava. O médico André e o enfermeiro Jonas, junto com Lidia. Eles sentados falavam da noite anterior de cada um. André tinha rezado a missa. Jonas escutou música até adormecer. E Lidia, de última hora aceitou um convite para sair.

Mas, Leandro estava ali, preso ainda à noite anterior, sua mulher fazia questão de no telefone dar o sermão. A ambulância dobrava a esquina para chegar até a escola a qual faria o plantão, por volta das onze e meia da manhã. O evento a ser coberto era a realização do exame nacional do ensino médio (ENEM).

Um escutava o sermão vindo através do aparelho, revirava os olhos. Lidia lamentava aos companheiros:

-Eu cheguei em casa para estudar ontem e, quando fui ver, já estava com uma taça de vinho na mão para beber e uma boca para sentir.

André exteriorizava um olhar calmo e sereno em quases todas as situações, após as palavras da colega, disse tranquilamente:

-Você deveria ter estudado! Será cobrada hoje na sua faculdade, não?

-Todo mundo cobra-nos o tempo todo! Viveremos sempre para cumprir cobranças? – um tom mais ríspido de Lidia.

O enfermeiro Jonas, permaneceu em silêncio até a escola, reservado e tímido como era. Mais imaginava do que realmente se apropriava das palavras dos outros. O que seria uma boca na outra, ou uma taça de vinho e uma mulher nua? Logo teve de interromper as viagens na maionese, pois avistou o primeiro trabalho que teriam:

-Olha! Ali no portão da escola uma menina desmaiou! – alertou para a equipe. Correu ao lado de Lidia para o atendimento. Viraram a adolescente para cima, com as costas no chão, soltaram o cinto que a apertava em sua calça jeans, elevaram as pernas dela acima do coração para restaurar o fluxo de sangue no cérebro. A garota despertara.

– Ei, menina, você está bem? Qual é o seu nome? – pergunta Lidia.

– Meu nome é Taline. O que aconteceu?

– Você desmaiou. Consegue andar até a ambulância para tomar água?

– Consigo, sim!

– Está nervosa por causa do Enem, não é? – pergunta Jonas.

– Não. Eu sou uma pessoa muito segura quanto ao vestibular! Sou otimista. Porém, acabei me descontrolando ao saber que meus pais irão se separar.

Jonas, que era o oposto da jovem, pessimista e inseguro, se interessa em saber mais da história:

– Mas a ponto de causar um desmaio… Então, foi uma decisão súbita, que te pegou de surpresa?

– Na verdade, não! Meus pais brigaram o ano todo devido a minha mãe permitir que eu não trabalhasse para estudar. E quando falei que iria fazer minha graduação e só iria arrumar um serviço na minha área, ele disse que não sustentaria vagabunda. E agora se eu não passar me sentirei um fracasso diante da minha mãe. E pior, a fiz perder meu pai por um investimento fajuto! – a garota começa a chorar compulsivamente. Chegando até o automóvel recebe um copo d’água.

Jonas informa o desmaio ao médico André. Que volta à atenção para a menina e consoladamente diz:

– Sua mãe vai te amar independente de qualquer coisa, sempre. E seu pai, provavelmente a ama também, só que não consegue lidar com essas situações. E Sobre passar ou não no vestibular, você precisa entender que será cobrada do mesmo jeito pelo seu pai, tanto se conseguir entrar na faculdade ou não.

Lidia percebera que o colega reaproveitara a conversa na ambulância para aplicar a Taline. Porém, a enfermeira era desprovida da possibilidade de tamanha sensibilidade para falar algo à menina. Lidia tinha em seu âmago um profundo ódio pelo mundo ao seu redor.

Taline precisava entrar na escola, se despede da equipe médica agradecendo a atenção. Vira às costas a ambulância e retoma as convicções do que tinha por futuro. Jonas, durante o dia atenderia muitos alunos igual a ele, inseguros de si mesmos, outros depressivos.

Lidia veria muitas meninas duronas como ela. Já Leandro, não veria nada, seu casamento estava o consumindo.

O fim do plantão acabou. Sentado em sua cama, André reflete sobre o dia que passara no trabalho. Jonas mergulhava-se no mundo da NETFLIX. Lídia estudava as apostilas de medicina ao som musical de “People in Planes” por Light For The Deadvine. Leandro abre a porta da casa, entra e vê sua mulher com o estiloso vestido azul, sentada no sofá e as pernas cruzadas.

– Precisamos conversar! – Ele decidido declara.

Ela se levanta, sensualmente o beija e em seu ouvido, docilmente diz:

– Cálice! (Cale-se)

 

CONTINUA… CAPÍTULO UM: LIGAÇÕES INDESEJADAS

Anúncios

Teaser da Série “Confissões” de Wilker Santos

A série de textos relata a rotina de trabalho de três enfermeiros e uma enfermeira que atendem emergências em ambulância. A cada episódio a interação da equipe com os pacientes vai mostrando a faceta de suas vidas. A trama tem como objetivo explorar os sentimentos humanos no limite das tragédias, dramas e conflitos pessoais.

PARA SABER MAIS SIGA-NOS NO FACE:
https://www.facebook.com/adriwileditora/

CAPÍTULO ESPECIAL SERÁ DISPONIBILIZADO EM BREVE AQUI NO BLOG!!!